Faroeste do amor

Hélio Flanders tem muitas balas na agulha
Hélio Flanders tem muitas balas na agulha

> Release para a banda Vanguart

Boa Parte de Mim Vai Embora é um marco na história da Vanguart, banda formada em 2006 em Cuiabá, Mato Grosso. Até então, o quinteto enfrentava tiroteios entre a inspiração em Beatles e Bob Dylan e versos em português e inglês. Três anos depois do bem-sucedido álbum de estreia, Vanguart, oxigenado pela mudança para São Paulo, por novas influências – cantores como Dorival Caymmi, Roberto Carlos e Elizeth Cardoso e poetas como Walt Whitman –, e moída e remoída por encontros e desencontros amorosos, o grupo nunca soou tão coeso, tão western. À parte “Mi vida eres tu”, com refrão em perfeito espanhol, o álbum todo é cantado em português. Escancaradamente inspirado na mais confessional das obras de Dylan, Blood on the Tracks, Boa Parte de Mim Vai Embora é romântico do primeiro ao último acorde.

Tudo gira em torno da inquietação: o amor pode ir e voltar quantas vezes? Até onde podemos ir entre o orgulho do rompimento e a redenção da volta? Não se fala aqui na paixão ou na descoberta do amor, mas no confronto com a perda, com a sarjeta e com a cara na porta – e com a desbragada vontade de bater à porta fechada, sem esperança mas também sem medo. O tema da ausência é conjurado já na capa: em duotone, quatro mulheres à frente de uma casa antiga – os homens, enxotados ou perdidos, devem estar do lado de fora, com cara de cachorro, implorando por voltar (as mulheres são amigas da banda: as músicas Fernanda Kostchak e Cida Moreira, a atriz Daniela Dams e a apresentadora Rafaela Tomasi).

Mas Vanguart espanta a maldição do segundo álbum encarando com calma seus demônios. Se há momentos de placidez folk, há sobretudo uma lucidez agridoce em esgarçar as feridas; o álbum soaria trágico não fosse o sofisticado iê-iê-iê que embala essas doze melancólicas canções. Ao mesmo tempo em que apresenta novas ideias para as alternâncias de dinâmica que são a marca da banda, o quinteto aprofunda a peculiar maneira como exerce o contraste tramado entre a pulsação forte e veloz do instrumental e as notas alongadas da melodia-guia. Atente-se, aliás, à maturidade dos vocais do frontman Helio Flanders, cujo registro passeia do confortável ambiente dylanesco às paisagens melodramáticas de grandes crooners da torch song como Cida Moreira, Cauby Peixoto e Rufus Wainright, impondo-o como um dos cantores de frente da nossa música pop contemporânea.

O álbum foi registrado no esquema ao vivo em somente três dias no Estúdio Inca, em Cuiabá. Juntou-se ao quinteto a violinista e arranjadora Fernanda Kostchak, responsável por colorir o som do grupo com atmosfera ora clássica ora cigana. O rock rural brasileiro, tradicionalmente escapista, antiurbano e ingênuo, foi reinventado com romantismo sujo na cidade, e por uma banda matogrossense: a novidade não é pequena. Felizmente, apesar de todos os desenganos, salva-se um álbum conceitual corajoso ao enfrentar dissabores com coração limpo e suave. No faroeste amoroso do Vanguart, os letreiros The End fazem legenda ao herói que vai embora a galope, sangrando mas ainda vivo – depressa, depressa e devagar.

Autor: rbressane

Writer, journalist, editor

Nenhum pensamento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s