Sossega, Leão

Retrato de Gregor Samsa, RSL
Retrato de Gregor Samsa, RSL

.

Tudo é pequeno.

Tudo é pequeno
A fama
A lama
O lince hipnotizando a iguana

O que é grande
É a arte
Há vida em Marte.

.

Estranho último poema este, postado cinco dias antes da grande viagem. Dia 1 de julho Rodrigo de Souza Leão partiu além. Um poeta estranho pela peculiar mistura de singelo surrealismo, fina ironia e excruciante melancolia – literária, mas confessional à medula -, em versos de fatura lógica e clara, de rimas simples e musicalidade imediata.

.

Toda a vida em um segundo.

Morrendo a cada
Dez minutos uma vez

O círculo se fecha
E cada vez mais

O que vai indo vai
Pra nunca mais

O que fica é o futuro
Uma criança na foto

Por que nenhuma
Mãe guardou

Nossas fotos
Quando adultos

.

O carioca RSL era uma lenda viva. Deixou muita poesia inédita. Um dos escritores mais incansáveis da rede – onde estava desde 1996, editando o e-zine Balacobaco -, multiplicou-se por 10 e-books, artigos literários, entrevistas com autores e participações por vários sites, como a revista Zunái, que editava com o poeta Claudio Daniel. Aqui, Daniel escreve sua comovente despedida do amigo.

.

Caixa de fósforos.

Eu não saio pra ver a vida
Eu vivo ávido de vida
A vida está aqui dentro

Tão dentro que estou morto
Pronto pra pegar fogo

.

Pulei
de uma janela
deitada

Andei
na nata iceberg
do leite

Caí
de pára-quedas
no nada

Subi
cavando
com enxada

.

Foices
ceifando
o sol

naus
ornando
o mar

peristilos
lambem
pilastras

aprendi
arquitetura
Proust

.

Bandeira vermelha.

O sono eterno da pedra
as falésias surfando
o mar de cicatrizes

à cata está o poeta
de alguma imagem rara
ou de alguma metáfora nua

na ressaca da prudência
alguns ficam nas pranchas
carrancas com medo

castelos de areia
crianças à milanesa
o céu maior que tudo

e à maneira do sol
espero o mar crescer
se encher de sudoeste

.

Além da incessante produção – que culminou na elogiada novela Todos os cachorros são azuis, finalista no Prêmio Portugal Telecom -, os últimos anos de Leão foram preenchidos por telas de cores primárias e forte iconicidade, como A insustentável leveza do elefante e esta:

Sentido da vida, RSL
Sentido da vida, RSL

RSL era uma lenda também por falar sem medo [e sem esperança] da condição de esquizofrênico – que o mantinha recolhido em casa, de onde saía muito pouco: sua última aparição pública foi no projeto Artimanhas Poéticas, no início de junho. Neste depoimento ao Jornal do Brasil, Leão pede inteligência no trato com os loucos e critica a forma ridícula como o tema é abordado na infame novela Caminho das Índias.

.

Química cerebral.

Bom dia Lexotan
Bom dia Prozac
Bom dia Diazepam
Bom dia coquetel
Bom dia Amplictil
Bom dia Fenergan
Bom dia sossega-leão
Bom dia eletrochoque
Bom dia Piportil
Bom dia Lorax
Bom dia Lithium
Bom dia Haldol

Boa noite Rodrigo

.

A experiência na esquizofrenia, que o levou à internação em manicômio [tema de Todos os cachorros são azuis], e a luta por destrinchar os eventos criados pelo inconstante convívio entre a ‘normalidade’ social e a realidade de uma mente em parafuso relacionam o poeta em uma linhagem rara na literatura brasileira.

.

Linguagem.

O louco baba um licor de excrescências
O louco faz excrescências
entre o que baba e o que faz

Esta é a linguagem do louco
Ele está no que baba
Na excrescência que ali jaz

O louco não rasga dinheiro
Compra cigarros bem fortes
para que possam matá-los

Antes que a morte lhe mate.

.

Lobotomia.

Na
Caixa
Craniana
Não há nada

Só o nada como artefato

Nada
Um peixe
E suas barbatanas

Homens dão viradas olímpicas
Nadam
E o nada continua ali

Vazio
Entre duas mãos
E o bisturi

.

Vida.

A mim foi negado tudo.
Até o absurdo.

.


O cânone desta escrita de autobiográfica investigação psicopatológica alinha do Lima Barreto de O cemitério dos vivos à Maura Lopes Cançado de Hospício é Deus, passando pelo Renato Pompeu de Quatro-olhos, o Carlos Süssekind de Armadilha para Lamartine, a Orides Fontela de Teia e o Lourenço Mutarelli de A arte de produzir efeito sem causa. Literaturas desalinhadas na crítica acadêmica, que ainda nos deve um estudo sério sobre a intersecção arte-loucura-biografia na literatura brasileira.

.

O dado de sete lados.

Psiquiatras vêem doença em tudo.
No azul do veludo
de uma neurose:

numa operação de fimose.

Por osmose
(numa réplica de crocodilo)

vêem o Murilo.
Mendes é o nome dele.

Vêem a Paranóia (de Piva)
e os sete cantos de um dado imaginário.

Podem me chamar de otário:
no sentido horário

e no anti-horário.

.

Conforme o amigo Daniel, Leão se foi “de ataque cardíaco, provocado por medicação excessiva; não sabemos se foi suicídio, imperícia médica ou destino. Sugiro que você publique algo sobre a literatura do Rodrigo; ele ficaria mais feliz se falassem de seus livros do que do seu drama pessoal”. De acordo, embora em desacordo com sua morte – que silenciou de forma abrupta nossa nascente conversa. Mas seus poemas estão aqui. Lindamente vivos.

.

lápide sem inscrição
já feita

já feita a luzificação
da alma eleita

trâmites e processos do sol
no dia d

flechas e cartas de amor
fagulhando hou-

sebad
e que me marcou só sei eu

que pleiteio um fim
também

muito afim de mim

Rodrigo de Souza Leão, 1965-2009
Rodrigo de Souza Leão, 1965-2009

.

mobiliando o silêncio
com aquários vazios

vê-se inexistente
uma cor na parede

o que se vê
é um pássaro com sede

de poleiro em poleiro
fazendo voar a gaiola

Autor: rbressane

Writer, journalist, editor

8 thoughts

  1. O cara foi no grande momento da carreira dele. Uma pena.
    Esses últimos versos dele “O que é grande / É a arte / Há vida em Marte” mostram o tanto que ele ainda podia criar. Uma pena mesmo.

    Resta-nos o (muito) que ele escreveu.

  2. Conhecia a literatura do Rodrigo de Souza Leão há muitos anos, através de seus ebooks. Gostava bastante do que lia. Ontem procurei saber sobre o Rodrigo, porque queria envia-lo meu livro inédito. Achei seu blog lowcura e adicionei ao meu De Lírios & Lirismo. Hoje enviei-lhe um e-mail sem saber que não teria a esperada resposta. aqui fico sabendo da trágica despedida. Fica em paz, poeta!

  3. O Rodrigo era um poeta maravilhoso.
    Não conheci o Rodrigo pessoalmente
    embora eu tenha tido ele em meu orkut…
    Infelizmente não lembro de ter
    enviado algum recado a ele ou se ele
    me enviou.
    Mas o considero meu amigo (em verso)
    Quando soube de sua morte logo fiz esse poema
    e dediquei a ele…
    Um grande poeta o Rodrigo…
    Logo que encontrei o Rodrigo na net( os seus poemas ) gostei de imediato. Logo vi que se tratava de um poeta deferente…
    Repito: ( GRANDE POETA O RODRIGO )
    Poeta que nos deixou a sua cria…( a sua poesia )..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s