Sylvia

Sou habitada por um grito.
Toda noite ele voa
À procura, com suas garras, de algo para amar.

Tenho medo dessa coisa escura
Que dorme em mim;
O dia todo sinto seu roçar suave e macio, sua maldade.

Nuvens passam e se dispersam.
São essas as faces do amor, pálidas, irrecuperáveis?
É por isto que agito meu coração?

_________
Trecho de “O olmo”, em Ariel [Verus Editora], edição restaurada e bilíngüe, com os manuscritos originais, na ordem deixada por Sylvia Plath antes de morrer – diferentemente da versão mais conhecida, editada em 1965 pelo marido, o poeta Ted Hugues. A tradução aqui é de Rodrigo Garcia Lopes e Maria Cristina Lenz de Macedo. Hugues teria se perturbado com a confessionalidade de 13 poemas de Plath e por isso os limou da primeira versão, descaracterizando a obra, principal coletânea poética da escritora nascida em Boston. Esta edição só foi publicada ano passado – 41 anos depois da vontade da autora, conforme conta sua filha Frieda no prefácio.

Autor: rbressane

Writer, journalist, editor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s