Morte aos jovens

Mas que caralho. O crítico cretino gasta um terço da página 2 do caderno de cultura de sexta-feira do jornal mais lido do país pra responder à instigante questão “Quem precisa de Bob Dylan?”. Aí, não satisfeito em irritar grande parte dos milhares de leitores do tal jornal com sua candente defesa dos concertos para a juventude [coisas como Be Your Own Pet, ugh, seriam mais importantes à formação dos, argh, jovens], torra a sua coluna na sexta seguinte se arrogando a Diogo Mainardi da Ilustrada, impondo-se o cargo de açougueiro de vacas-sagradas tipo Dylan, Caetano ou Chico. O moleque é tão metido a otoridade que acha um absurdo ser defenestrado pela idiotice que escreveu – e, pior, que publicou.

Ah, mas falta muito feijão com arroz pra cotonetar as orelhas desse pirralho, diria minha sempre lúcida avó. Tão jovem, o cretino crítico de 32 aninhos já tem vencido seu visto para o museu nacional de irrelevâncias. Nem me espanto com a estupidez do jornal em publicá-lo, uma vez que sobra pouca coisa boa a ler nesse caderno – ali na Barão de Limeira o complexo de lúcio-ribeiro [leia-se a angústia de dar antes o que todo mundo lá fora já deu, e dar embalado em bastante baba] contaminou até coleguinhas que costumavam se orgulhar de seu separador de orelhas. Daqui a pouco vão trocar a celulose da Folha por chiclete.

Um amigo que passeava pela redação do jornal, faz uns dois anos, ouviu a seguinte frase vinda de certo repórter, ao telefone:

– Ah, então, quer dizer que o senhor também compôs “Ronda”?

Não é preciso explicar, né? Se os repórteres de música do maior jornal do país não conhecem o repertório de Paulo Vanzollini, um dos nossos maiores sambistas vivos, como esperar que saibam da importância do autor de “The times they are a-changing”

O que incomoda não é a besteira em si – nem gosto tanto assim de Dylan – mas sua capacidade de jogar areia no que é realmente bom, no que realmente importa. Tomando a própria Folha de hoje por exemplo, o artigo de Alexandre Matias juntando os 40 anos do Revolver, dos Beatles, e a onda do mash-up – algo tão atual quanto a tal da Be Your Own Pet – é muito mais inspirador do que o rodapé de luxo herdado do Ribeiro pelo Ney [elimine a palavra ‘pop’ da linguagem da dupla, pouca coisa sobrará]. É estranho, mas humano – temos mais fixação por desastres que por boas notícias.

Olhar para baixo evita tombos, olhar pelo retrovisor previne contra pescotapas. Agora, Thiago Ney, vá limpar essas orelhas e só volte quando sacar que nem sempre as pessoas precisam de críticos de rodapé. Mas certamente precisam de alguém que cante coisas como “The slow one now/ Will later be fast/ As the present now/ Will later be past/ The order is/ Rapidly fadin’/ And the first one now/ Will later be last/ For the times they are a-changin’” [ah, por acaso, Dylan tinha 22 anos quando lançou isso, em 1963]. Os tempos estão mudando – não vá chiar feito tiozinho quando ninguém mais ler seu jornal.

Autor: rbressane

Writer, journalist, editor

9 pensamentos

  1. O lançamento de um disco de Dylan é sempre um acontecimento.Mas não devemos superestimá-lo. Dylan é um excelente compositor, mas não é um messias. Ele fez muito pela música e merece o nosso respeito. Só isso. E respeito foi o que esse Sr. Ney não teve. Sua crônica tem os mais elementares erros do jornalismo.
    Se quiser e puder, leia a crônica que fiz a respeito do Dylan no Bala. Sem pretensão, mas acho que escrevo melhor que ele.
    gd ab e ótimo findi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s