100 = 0


90

Passeamos por cidades insensatas como robôs. Vamos de um sexo a outro para chegar sempre à mesma casa. Falamos mais ou menos as mesmas coisas, com algumas ligeiras variações. Comemos vegetais ou animais, mas nunca mais do que os disponíveis: em nenhum lugar nos servem a Ave do Paraíso ou a Rosa dos Ventos. Ficamos felizes com aventuras que um computador reduziria a dez ou doze situações ordinárias. A vida seria então, contra tudo o que dizem, a causa de sua chatice, longa demais? Que importância tem viver um ou cem anos? Como o recém-nascido, nada vamos deixar. Como o centenário, nada levaremos, nem a roupa suja, nem o tesouro. Alguns deixarão uma obra, é verdade. Será lindamente editada. Logo, curiosidade de algum colecionador. Mais tarde, citação de um erudito. No fim, algo menos que um nome: uma ignorância.

Julio Ramón Ribeyro, autor de Solo para Fumadores

De Julio Ramón Ribeyro, maior prosador do Peru [1929-1994]. Tirado do belo conjunto de aforismos, miniensaios filosóficos e notas biográficas Prosas Apátridas, Seix Barral [2009]. Trad. RB.

Autor: rbressane

Writer, journalist, editor

2 thoughts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s