Karam não se acaba nunca


O que nós fazíamos com os colaboracionistas? Trocadilho. Eles eram afogados em tanques com água mineral. Da marca Vichy.

Issaí é um trechim do inédito/póstumo do grande Manoel Carlos Karam, Jornal da guerra contra os taedos. Eu ia escrever sobre o belo livrinho editado pela Kafka Edições [de Luci Collin e Paulo Sandrini], graças aos esforços da viúva Kátia, taedomaníaca de carteirinha. Mas é que o cozinheiro Joker emulou o estilo do Impostor e num ataque de tardo-sensacionaldismo cometeu uma risonha resenha. Vão lá, e depois voltem aqui:

O capelão ausente do front enviava a extrema-unção por e-mail, o que explica os túmulos dos nossos soldados com tantas palavras idênticas: Tem vírus.

Autor: rbressane

Writer, journalist, editor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s