Maldito amor, maldito crocodilo

O amor é um país sempre terceiro-mundista. Uma república sujeita a ditaduras, e a crises financeiras, e a revoluções, e a secas, e a epidemias. Um reino onde cedo ou tarde acontece um terremoto, onde sempre alguém vai sair caminhando por entre os escombros e as chamas sem conseguir entender o que aconteceu e por que justo comigo, hein?

Este é só um dos períodos maravilhosos no romance Jardins de Kensington, do argentino Rodrigo Fresán (Conrad). Corram, vão amar, ou vão ler esse livro, o tempo não dá mole, o tique-taque do relógio dentro do bucho do crocodilo está cada vez mais alto, cada vez mais alto, mais alto, mas que dentes enormes você tem.

Autor: rbressane

Writer, journalist, editor

2 pensamentos

  1. Muito boa a metáfora.
    Rodrigo Fresán foi um grande amigo do grande Bolaño e grandezas à parte, verdade é que o argentino aprendeu bema licão, Jardins de Kensington se mostrou um romance que vale por si. Imperdível.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s